APOSTILA DE PSICOSES E NEUROSES

A CLÍNICA DAS NEUROSES E PSICOSES

O PSIQUISMO EM FREUD
 Freud era impulsionado pelo desejo de saber.
 Freud queria auxiliar seus pacientes a fazer uma travessia.
SOFRIMENTO E SUBJETIVIDADE
 O sofrimento é uma marca indelével do ser humano.
 Devemos perceber nesse “sofrer” o primeiro aliado, aquele que irá conduzir
o analisando até ao divã.
 Há nessa “dor”, nesse “sofrer”, uma tentativa de resgate do sujeito por ele
mesmo.
 Nesse sentido, ouvir a dor do paciente significa auxiliá-lo em busca da
saída.
 Trata-se de mergulhar em si mesmo.

DOENÇAS MENTAIS
Existem três tipos básicos de doenças mentais:
1. A Neurose
2. A Psicose
3. O atraso mental. Atrasos mentais (problemas que têm uma) conotação
biológica.
A PSICOSE
A Psicose é definida como um grupo específico de distúrbios mentais, distintos
das neuroses, dos distúrbios psicossomáticos e do atraso mental.
Suas características:
– Trata-se de distúrbios mais graves
– A realidade externa é percebida de forma distorcida.
– A emotividade do psicótico é exagerada.
– Caracteriza-se pela ausência de autocrítica.

PSICOSE (David Zimerman)
As psicoses implicam um processo deteriorante das funções do ego, a tal ponto
que haja, em graus variáveis, algum sério prejuízo de contato com a realidade.
– O quadro clínico de psicose pode tanto ser de surgimento agudo como,
também, pode evoluir de forma lenta e gradativa.
Ex: Esquizofrenia (mente dividida)
O QUE É ESQUIZOFRENIA?
Esquizofrenia é um termo utilizado para descrever um estado extremamente
complexo. A mais crônica e incapacitante entre as principais doenças mentais.
• Aproximadamente 1% da população desenvolve esquizofrenia no decorrer
da vida.

 Em geral, os primeiros sintomas psicóticos da esquizofrenia aparecem
durante a adolescência ou durante a década dos 20 anos nos homens e
durante a década dos 20 ou princípio da década dos 30 nas mulheres.
 Alucinações: o mundo de um indivíduo esquizofrênico pode estar cheio de
alucinações. (pode perceber objetos que não existem, pode ouvir vozes).
 Delírios: São crenças pessoais falsas, não sujeitas à razão ou evidência
contrária e que não fazem parte da cultura das pessoas.
Algumas questões:
1.Pode haver crianças esquizofrênicas?
Crianças acima de 5 anos podem desenvolver esquizofrenia, porém esta doença é
muito rara antes da adolescência.

2. Qual é o problema do suicídio?
– O suicídio é um perigo potencial para aqueles que sofrem de esquizofrenia.
– Se o indivíduo tenta suicidar-se ou manifesta idéias suicidas, deve receber
assistência imediata.
3. Qual a causa da esquizofrenia?
– Não se conhece nenhum fator específico que cause a esquizofrenia. Sabe-se,
porém que há uma forte base genética.
4. Como se trata a esquizofrenia?
– Uma série de tratamentos ou combinações de tratamentos tem se
demonstrado útil ( drogas antipsicóticas e psicoterapia).

ESTADOS PSICÓTICOS
Abarcam um largo especro, mas sempre pressupõem a preservação de áreas do
ego que atendem a duas condições: uma é a de que tais “estados
psicóticos”permitem uma relativa adaptação ao mundo. A segunda consiste no
fato de que esses quadros clínicos possibilitam uma recuperação sem sequelas.
Ex: Boderline
BODERLINE
Pelo alto grau de incidência clínica, cabe dar destaque ao paciente boderline.
Fronteiriço
– Apresenta características psicóticas. (surgimento de noção delirante de
perseguição, ciúme excessivo, megalomania, etc.)
– Conserva o senso de realidade

– É instável – A instabilidade das emoções é o traço marcante deste
transtorno.
MANEJO CLÍNICO
– Conseguir o estabelecimento de uma aliança terapêutica.
– Decodificar o sofrimento do paciente bouderline e fazer a devida nomeação
daquilo que não tem nome.
– Propiciar ao paciente o desenvolvimento gradativo da capacidade para
estabelecer um “diálogo” interno.
Condições Psicóticas
Esta denominação faz referência àqueles pacientes que, apesar de estarem
manifestamente bem adaptados, são portadores de condições psíquicas que os
caracterizam como potencialmente psicóticas.

MANEJO TÉCNICO DAS PSICOSES CLÍNICAS
Quando as “psicoses propriamente ditas”, tal como são descritas na Psiquiatria, a
Psicanálise preconiza o uso de métodos alternativos, em um manejo combinado
de múltiplos recursos como, por exemplo, a simultaneidade do método analítico e
o uso de psicofármacos.
DISTÚRBIOS DO SELF
Self é uma entidade psicológica, algo pessoal e, por isso mesmo, subjetivo.
 “Self é o ser total”- Freud
 Self é a integralidade do indivíduo.
 Ego – Instância reguladora.
Quanto aos distúrbios do Self
– Primário

Encontrado no self danificado. Neste caso haverá perda de coesão
(esquizofrenia), por conta de fatores biológicos.
– Secundário
Correspondem às reações de um self não danificado. É o self forte, capaz de
lidar com os infortúnios.
PERVERSÕES
O tema da perversão é controverso e polêmico, no entanto, podemos fazer as
seguintes afirmações sobre esse assunto:
– Trata-se de um transtorno que desvia os fins da sexualidade normal.
– O termo “perversão” designa os desvios ou aberrações das pulsões sexuais.
– O atual conceito de perversão implica a existência de um tipo particular de
vínculo interpessoal.

PSICOPATIA
Embora clinicamente, muitas vezes, a perversão e a psicopatia se superponham e
confundam, é útil estabelecer uma distinção entre ambos.
A psicopatia pode ser vista como um “defeito moral” que se manifesta no plano
de uma “conduta anti-social”
Os exemplos mais comuns são os daqueles indivíduos que roubam e assaltam,
mentem, enganam e são impostores.
PERSONALIDADES PSICOPÁTICAS
1. Psicopatas hipertímicos ou hipomaníacos
A impulsividade, a euforia e a desinibição geral são os sinais que caracterizam os
psicopatas hipertímicos.Pela tendência rixenta e litigiante, pela inconstância e
impetuosidade vazia, é frequente incorrerem em comportamentos anti-sociais.
2. Psicopatas Esquizóides

Seus movimentos são desajeitados e rígidos, mantêm-se distantes, com pouco
contato; não se abrem afetivamente; são pouco acessíveis.
3. Psicopatas Irritáveis
Excitam-se com facilidade anormal, coisas insignificantes provocam neles
reações explosivas de curto-circuito.
4. Psicopatas Fanáticos
Os fanáticos são indivíduos inseguros expansivos, incapazes de aprender com os
fracassos. Só reconhecem sua idéia supervalorada.
5. Psicopatas Instáveis
Comportamento e vontade fracos, falta de constância e perseverança são traços
característicos das psicopatias instáveis.

ASPECTOS TÉCNICOS NA PRÁTICA ANALÍTICA DAS PERVERSÕES
1. Não é comum que os pacientes, espontaneamente procurem um tratamento
psicanalítico para tratar de sua perversão.
2. Nessas pessoas sempre existem fortes componentes narcisistas e
sadomasoquistas.
3. Nessas pessoas sempre é encontrada uma baixa tolerância às frustrações.
4. “Personalidade encobridora”, os perversos conseguem executar com alta
maestria a arte de manter uma fachada de “bom moço”.
A NEUROSE
Do ponto de vista psiquiátrico, as neuroses são “distúrbios psíquicos sem base
orgânica demonstrável.
As seguintes características diferenciam a neurose da psicose:
 Manutenção da capacidade de discriminação entre realidade externa e
interna.

 Manutenção da capacidade de se comunicar ou diminuição apenas
quantitativa.
Do ponto de vista psiquiátrico, as neuroses são “distúrbios psíquicos sem base
orgânica demonstrável.
As seguintes características diferenciam a neurose da psicose:
 Manutenção da capacidade de discriminação entre realidade externa e
interna.
 Manutenção da capacidade de se comunicar ou diminuição apenas
quantitativa.

TEORIA PSICANALÍTICA DA NEUROSE
Conceituação
“Afecção psicogênica em que os sintomas são a expressão simbólica de um
conflito”
Laplanche e Pontalis
“Neurose é uma afecção do ego”
“A neurose resulta de um conflito entre o ego e o id, ao passo que a psicose é um
conflito entre o ego e o mundo exterior”
Sigmund Freud
 Neurótico é quem porta um conflito inconsciente entre o ego e o id.
FOBIAS
Não há uma explicação unitária para a formação das fobias.

 Em qualquer tipo de fobia sempre está presente uma sensação de
desamparo.
 Existe uma permanente simbolização e deslocamento da ansiedade. Uma
lembrança terrorífica remete a outra.
Ex: Uma fobia do escuro pode estar associada a um medo primitivo de perder o
contato com a mãe.
– Um aspecto importante é o que se refere à identificação da criança com a fobia
de ambos os pais, ou um deles.
Em relação ao caráter fóbico, cabe destacar dois aspectos:
1. Um permanente estado de alarme.
2. Uma constante atitude de fuga, que aparece de duas formas: uma atitude
passiva e a conduta contra fóbica.

FOBIA SOCIAL
Características:
– Medo de passar por um ridículo em público
– Medo de uma avaliação crítica
– Fobia de falar em público, de reuniões, de comer ou beber em público.
A PSIQUIATRIA E A PSICANÁLISE
A Psicanálise não é uma sub-especialidade da Psiquiatria. Logo, não é
especialização médica.
São ciências afins, porém completamente definidas e cuidando de partes do
psiquismo que não se confundem.
Fundamentalmente, os objetivos e perspectivas são diferentes.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA
NASIO, J. D. O Prazer de Ler Freud. Zahar, Rio de Janeiro, 1999.
SPOERRI, TH. Compêndio de Psiquiatria. Atheneu, Rio de Janeiro, 1974
ZIMERMAN, David. Manual da Técnica Psicanalítica: Uma re-visão. Artmed,
Porto Alegre, 2004.